Textos de: Marilene Dias Bandeira

Migrações entre as mesorregiões gaúchas no período 2005-10

Por:

Edição: Ano 22 nº 05 - 2013

Área temática:

Assunto(s): ,

A análise das migrações entre as mesorregiões no Estado representa uma tentativa de compreender os fenômenos econômicos e sociais que influenciam o crescimento regional. Esse estudo foi baseado no Censo Demográfico de 2010, utilizando a informação de onde as pessoas declararam residir em 2005. Com base nesses dados, verifica-se que os movimentos populacionais entre as […]

Rio Grande do Sul: trocas migratórias interestaduais entre 2005 e 2010

Por:

Edição: Ano 21 nº 11 - 2012

Área temática:

Assunto(s): ,

De acordo com o Censo Demográfico de 2010, o Rio Grande do Sul apresentou um incremento de apenas 5% em sua população residente, na comparação com o ano 2000, o que representou um acréscimo de 506.131 habitantes. Esse crescimento tem perdido o ritmo desde a década de 60, período em que o aumento foi de […]

Concentração populacional no Rio Grande do Sul

Por:

Edição: Ano 21 nº 10 - 2012

Área temática:

Assunto(s):

De acordo com recentes estimativas populacionais realizadas pela FEE para 2011, o Rio Grande do Sul apresentou um acréscimo de cerca de 40 mil pessoas com relação ao ano de 2010, atingindo a marca de 10.735.890 habitantes, distribuídos em 496 municípios. Os 18 municípios com mais de 100 mil habitantes, que são apenas 3,63% do […]

Censo Demográfico confirma envelhecimento da população

Por:

Edição: Ano 20 nº 06 - 2011

Área temática:

Assunto(s):

De acordo com os dados da Sinopse do Censo Demográfico 2010, o processo de envelhecimento continua na população gaúcha. Nesse processo, destaca-se a mudança na estrutura etária, o que acarreta uma ampliação do peso relativo da população acima de determinada idade, considerada como definidora do início da velhice. De fato, a comparação entre as pirâmides […]

Expectativa de vida e mortalidade por causas, no RS, em 2005

Por:

Edição: Ano 17 nº 12 - 2008

Área temática:

Assunto(s): , ,

As quatro principais causas de morte no Rio Grande do Sul são responsáveis por 72,5% dos óbitos. Doenças do aparelho circulatório ocupam a primeira posição como causa de morte, vitimando 30,2% dos gaúchos em 2005. Neoplasias estão em segundo lugar (20,8%), Doenças do aparelho respiratório, em terceiro (11,9%), e causas externas, em quarto, sendo essas […]

Mortalidade por causa e sexo no Rio Grande do Sul, em 2005

Por:

Edição: Ano 16 nº 02 - 2007

Área temática:

Assunto(s): ,

De acordo com dados da Secretaria Estadual da Saúde, o principal grupo de causas da mortalidade dos gaúchos, em 2005, foi doenças do aparelho circulatório, responsável por cerca de 30% dos óbitos. Em segundo lugar, aparece neoplasias, respondendo por 20% dos óbitos. Esses dois grupos de causas ocupam essas posições independentemente do sexo e ocorrem, […]

Mortalidade dos jovens por causas externas no RS

Por:

Edição: Ano 15 nº 04 - 2006

Área temática:

Assunto(s):

A mortalidade por causas externas, grupo que inclui óbitos violentos, como acidentes de trânsito, homicídios e suicídios, vitimou 6.873 gaúchos em 2004, representando 9,6% dos óbitos naquele ano. Esse tipo de morte ocupou a quarta colocação entre os grupos de causa de mortalidade, sendo superado apenas pelas doenças do aparelho circulatório (primeiro lugar), neoplasias (segundo lugar) e doenças do aparelho […]

Envelhecimento populacional do Rio Grande do Sul

Por:

Edição: Ano 11 nº 09 - 2002

Área temática:

Assunto(s):

À medida que os dados do Censo Demográfico de 2000 realizado pelo IBGE vão sendo publicados, tendências demográficasobservadas nas décadas anteriores vão sendo confirmadas. Em primeiro lugar, tem-se a queda nas taxas de fecundidade das mulheres brasileiras, havendo uma convergência nos níveis de fecundidade regionais. As tabulações avançadas do Censo revelam que o número médio de filhos por mulher no […]

A fecundidade no Rio Grande do Sul e no Brasil

Por:

Edição: Ano 11 nº 02 - 2002

Área temática:

Assunto(s):

A taxa de fecundidade é um dos indicadores demográficos que mais influencia no crescimento e na estrutura etária de uma população. Apenas nos últimos 39 anos, essa taxa caiu 59%, passando de 5,11 filhos em 1960 para 2,12 em 1999, no Rio Grande do Sul. Já para o Brasil, a taxa caiu 63% no mesmo período, sendo que as […]