Vulnerabilidade e prosperidade social na Região Metropolitana de Porto Alegre

O Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) das regiões metropolitanas (RMs) brasileiras, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) em outubro de 2015, apresentou um mapeamento da exclusão e da vulnerabilidade social para as principais RMs do País. A Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), com um IVS na faixa de vulnerabilidade baixa (0,270), foi a de menor índice em 2010. A dimensão Renda e Trabalho, que, além de indicadores quanto à insuficiência de renda, inclui fatores relacionados ao fluxo de rendimentos — desocupação, ocupação informal, dependência de idosos, trabalho infantil —, foi a de melhor performance em todas as RMs, no período 2000-10. Nessa dimensão, a RMPA passou de vulnerabilidade média (0,331) em 2000 para muito baixa (0,190) em 2010. Na dimensão Capital Humano, que inclui indicadores de saúde e educação, determinantes para as condições futuras de inclusão social, a RMPA também registrou melhora, passando de um nível de vulnerabilidade alto (0,402) para um nível baixo (0,266). A dimensão Infraestrutura Urbana apresenta uma limitação, devido à inexistência de dados no Censo 2000 para mobilidade, refletindo apenas a variação nas condições de serviço de saneamento básico dos domicílios, entre 2000 e 2010. Entretanto, destaca-se que, em relação à mobilidade, na RMPA, em 2010, 14% da população ocupada de baixa renda levava uma hora ou mais no deslocamento entre a casa e o trabalho.

Por fim, com o cruzamento do IVS com o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), observa-se que a RMPA alcançou um nível de Prosperidade Social muito alto, dado que, em 2010, registrou um baixo nível de vulnerabilidade social associado a um alto nível de desenvolvimento humano.

tabela-drop3

Compartilhe