Tecnologia e exportações industriais do RS

Uma das características do processo de globalização é o aumento da parcela das exportações de produtos industrializados (mais de 78% do total mundial no ano 2000) e, dentre estes, daqueles com conteúdo tecnológico mais avançado. Os principais elementos motivadores dessa dinâmica relacionam-se às mudanças na divisão internacional da produção, capitaneadas pelas estratégias das empresas multinacionais. Elas implicam uma maior participação dos produtos não acabados no total comercializado, bem como na relocalização de parte expressiva da capacidade industrial instalada em direção aos países em desenvolvimento, notadamente na Ásia.

O significado dessas mudanças é dos mais relevantes para a competitividade internacional, uma vez que a incorporação de maior conteúdo tecnológico nos produtos comercializados representa um maior acoplamento à demanda mundial, ou seja, uma maior capacidade de ampliar as exportações. Também quanto ao reflexo para a sociedade como um todo, a experiência asiática demonstra que a elevação do conteúdo tecnológico das exportações garante uma maior geração de renda e a criação de empregos melhor remunerados. Tem-se, aqui, um dos pontos críticos que afeta a inserção comercial de países latino-americanos em geral e a do Brasil em especial.

Nesse contexto, apesar de esperada, dada a elevada importância da atividade rural e de seus linkages no RS, é preocupante que a inserção dos produtos industriais gaúchos se dê com piores indicadores do que aqueles já precários apresentados pela indústria nacional, uma vez divididas suas exportações em indústrias de baixa, média-baixa, média-alta e alta intensidade tecnológica, seguindo o padrão metodológico internacional. No ano de 2006, a participação dos manufaturados de baixo conteúdo tecnológico foi bastante mais expressiva no RS do que no resto do País, respondendo por parcela superior aos 60% do total exportado de manufaturas. A elevada participação das exportações originadas das indústrias de alimentos, bebidas e do fumo — 35,5% das exportações industriais — foi a principal responsável por esse resultado, consolidado pelas exportações das indústrias de calçados e do mobiliário. Um bom resultado foi o alcançado no segmento de média-alta tecnologia, onde a participação alcançou os 30%, equiparando-se à média nacional. Nesse segmento, encontram-se as indústrias de máquinas e equipamentos elétricos e mecânicos, bem como as de máquinas agrícolas e de veículos automotores. A participação dos produtos de alta tecnologia superou em pouco os 2% do valor total exportado pela indústria gaúcha, em que pese os esforços que se têm realizado no sentido da implantação de parques tecnológicos e de atração de empresas voltadas às novas tecnologias no Estado. Em resumo, o resultado obtido nessa classificação trata-se de valioso instrumento no sentido de identificar e de medir fraquezas da estrutura produtiva estadual, devendo ser objeto de atenção por parte dos planejadores e formuladores de políticas públicas no RS.

Tecnologia e exportações industriais do RS

Compartilhe