Ritmo de crescimento do emprego formal desacelera em maio

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) revelam um crescimento do emprego formal, no Brasil, de 0,7% em maio de 2006, frente ao mês anterior, e um decréscimo (-0,2%) no RS, no mesmo período, com um saldo líquido, entre admissões e desligamentos, de 198.837 no primeiro caso e de -3.867 no segundo, o que evidencia uma desaceleração no mercado de trabalho formal, em maio, no confronto com o saldo de abril (229.803 postos de trabalho no País e 9.591 no Estado). Para o Brasil, é um resultado também inferior ao do mesmo mês do ano passado (212.450 vagas), ao contrário do observado para o RS, em que se registra uma ligeira melhora (-5.831 vagas).

Setorialmente, a variação positiva do emprego celetista, no Brasil, foi generalizada em maio, enquanto, no RS, a indústria de transformação e o setor serviços tiveram crescimento praticamente nulo, e a administração pública, decréscimo de 0,8%. Na indústria gaúcha, chama atenção o movimento dos segmentos de maior peso na estrutura do emprego: calçados (-0,4%) e produtos alimentares (-0,6%).

Os dados mostram ainda que a ocupação com vínculos legais cresce, predominantemente, entre as faixas de salário mais baixas. Nos primeiros cinco meses deste ano, foram fechadas 71.833 vagas nas faixas acima de três salários mínimos, no Brasil, e 11.862 nas acima de dois salários mínimos, no Estado.

Ritmo de crescimento do emprego formal desacelera em maio

Compartilhe