Perspectiva da lavoura gaúcha em 2008

As estatísticas recentes sobre a safra gaúcha para o ano de 2008 (Levantamento Sistemático da Produção Agrícola/LSPA-IBGE) indicam um desempenho bastante inferior ao do ano passado. Estima-se um decréscimo de sua produção em torno de 6,5% para 2008 contra um crescimento superior a 15% em 2007. Considerando-se a importância das culturas temporárias de verão e que estas estão em fase final de colheita, pouco irá mudar a taxa de produção da lavoura gaúcha. Comparativamente ao ano anterior, esse número reflete uma mudança significativa no ritmo agrícola do RS, com forte impacto negativo no desempenho do PIB deste ano.

Entretanto esse desempenho necessita ser melhor analisado, dada a possibilidade de interpretações divergentes.

Em relação à safra de grãos (arroz, feijão, milho, soja e trigo), por exemplo, destaca-se que, em 2007, se comemorava a maior safra da história, com o Rio Grande do Sul produzindo mais de 24 milhões de toneladas, com um crescimento em relação ao ano anterior de 21,6%. Já neste ano de 2008, a previsão é de um decréscimo de 7%, com uma produção em torno de 22,4 milhões de toneladas. Entretanto, ao mesmo tempo em que ocorre essa diminuição em relação ao ano anterior, observa-se que esta foi a segunda maior safra do RS. Esse recuo se dá por um clima pouco favorável em algumas regiões e pela base de comparação extraordinariamente elevada do ano de 2007.

Quanto à produção, destacam-se a evolução do arroz (16,3%), que, ano anterior, foi a única cultura com desempenho negativo (-6,5%), e a do trigo (7,1%), que havia apresentado um incremento, em 2007, de 109,0%. Todas as demais culturas tiveram quedas expressivas em sua produção — -27,9%, -10,8% e -21,7% para feijão, milho e soja respectivamente. Em comparação à safra de 2006, todas as culturas apresentaram crescimento, à exceção do feijão, com uma taxa acumulada das culturas de grãos, nesse período de dois anos, superior a 13%.

O rendimento médio da produção por hectare colhido só obteve elevação, em 2008, no cultivo de arroz (2,3%). Todas as outras culturas demonstram produtividades inferiores às da safra anterior. Entretanto, frente a 2006, todas as culturas de grãos apresentam rendimento igual ou superior em 2008, o que indica uma evolução tecnológica no campo, já que o incremento da produção é resultado do rendimento e não da área colhida.

Quando se analisam as variáveis que envolvem preço, verifica-se que são as que mais se destacam, com um crescimento continuado nestes últimos dois anos e acima da média histórica. De acordo com o levantamento de preços realizados pela Emater junto aos produtores, o aumento médio dos preços dos produtos analisados no primeiro semestre, em relação a igual período do ano anterior, foi: arroz, 32,6%; feijão, 193,3%; milho, 43,4%; soja, 62,2%; e trigo, 23,3%. Esses valores são bastante superiores à variação de qualquer um dos índices de preço utilizados para medir a inflação para igual período, como conseqüência, geram taxas de crescimento dos valores de produção elevadas. Em 2008, estima-se uma elevação do valor de produção do arroz, de 54,2%, do milho, de 27,9%, da soja, de 27,0%, e do trigo, de 32,1%, gerando uma taxa média de 34,8%. Considerando-se que, em 2007, esse número foi ainda maior, 42,0% em média, isso reflete uma continuada recuperação da renda bruta do agricultor.

Assim, embora haja uma previsão de queda no Valor Adicionado da agropecuária, Governo e produtores comemoram o resultado da safra e a elevação da receita gerada no campo, com seus reflexos, diretos e indiretos, nas demais atividades econômicas.

Perspectiva da lavoura gaúcha em 2008

Compartilhe