Participação das mesorregiões gaúchas no PIB do RS, entre 2010 e 2013

Analisando os dados da nova série do Produto Interno Bruto (PIB) dos municípios divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pela Fundação de Economia e Estatística (FEE) e fazendo o agrupamento por mesorregiões, observa-se que as posições das mesmas quanto à participação no PIB do RS não se modificaram entre 2010 e 2013. A ordem, de maior participação para menor, foi a seguinte: Metropolitana de Porto Alegre, Noroeste, Nordeste, Centro Oriental, Sudeste, Sudoeste e Centro Ocidental.

A mesorregião Metropolitana de Porto Alegre foi responsável por quase metade do PIB do RS no período analisado, por possuir concentração de grande parcela do Valor Adicionado Bruto (VAB) nos setores de serviços e indústria do Estado. No período, houve uma redução de 3,4 p.p. na participação do seu PIB no RS (passando de 50,1% em 2010 para 46,8% em 2013), a qual decorreu principalmente de queda significativa de participação no VAB da indústria total, sendo causada em grande medida pelos desempenhos ruins nas atividades de refino de petróleo em Canoas e química em Triunfo. Entre 2010 e 2013, Canoas e Triunfo perderam 1,8 p.p. e 0,6 p.p. do PIB nominal do Estado respectivamente. Os Municípios de Porto Alegre, Canoas, Gravataí, Novo Hamburgo e Triunfo eram os cinco que possuíam o maior PIB em 2013, totalizando 59,4% do PIB da mesorregião.

Durante o mesmo intervalo de tempo, a mesorregião Noroeste obteve ganho de 2,5 p.p. no PIB do RS, atingindo 18,4% de participação em 2013. Esse incremento pode ser atribuído ao crescimento do VAB de sua agropecuária ter sido muito superior à média do Estado no período. Essa mesorregião foi aquela que apresentou o maior VAB agropecuário, possuindo 32,5 p.p. a mais que a mesorregião que possuía o segundo maior VAB do setor no Estado, a Sudoeste (11,1% de participação em 2013). Portanto, o desempenho do Setor Primário, principalmente a atividade de cultivo de soja, foi de fundamental importância para a Noroeste, tornando sua economia muito dependente do mesmo. O cultivo de soja obteve um bom desempenho em 2011, atravessou uma estiagem no ano seguinte e se recuperou em 2013, tornando o nível de Valor Adicionado da soja ainda maior que antes da estiagem. Tanto a produção quanto o preço da soja cresceram substancialmente no período. Passo Fundo e Erechim possuíam os dois maiores PIBs da mesorregião nos quatro anos da nova série, apresentando, em 2013, de modo agregado, 18,4% do seu PIB. Embora fosse a mesorregião com o maior VAB da agropecuária do RS, os maiores PIBs da mesorregião não tinham essa atividade como um setor muito relevante para suas economias. O setor agrícola era caracterizado por ser bastante disperso geograficamente e, além disso, era mais relevante em municípios com economias de tamanho médio ou pequeno nessa mesorregião. Portanto, muitos municípios com economias menores eram os que dependiam em maior grau da agropecuária.

A terceira mesorregião com maior participação no PIB gaúcho foi a Nordeste. Sua participação oscilou pouco nos quatro anos avaliados, partindo de 13,6% em 2010 para alcançar 13,2% em 2013. O setor de sua economia que possuía maior participação em cada VAB setorial do RS era o indústrial; ou seja, do total do VAB da indústria do Estado, 20,7% eram decorrentes dessa mesorregião em 2013, participação inferior apenas à da Metropolitana de Porto Alegre. Os serviços e a agropecuária tinham as parcelas, no mesmo ano, de 10,7% e 10,0% em cada setor do Estado, respectivamente. Nesse mesmo ano, os três municípios com maior PIB da mesorregião concentravam 65,4% do seu total, explicitando a relevância que as economias de Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Farroupilha tinham para o desenvolvimento dessa mesorregião. Esses eram municípios que possuíam o comércio e a indústria de transformação bastante desenvolvidos. Na indústria, obtiveram destaque as atividades de fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, de fabricação de produtos químicos e de fabricação de máquinas e equipamentos.

As outras quatro mesorregiões possuíam menos de 10,0% de participação no PIB estadual, todas elas apresentando incremento a esse respeito na passagem do primeiro ano da série para o último. Esse fato ocorreu principalmente devido à sensível perda de participação no VAB industrial da mesorregião Metropolitana de Porto Alegre, atividade que obteve desempenho muito débil no período, fazendo com que outras mesorregiões absorvessem parcelas maiores do VAB industrial do RS.

drope-3-tabela

Compartilhe