Emprego formal cresce 2,9% no RS, nos primeiros cinco meses do ano

Em maio de 2013, o emprego formal, interrompendo a trajetória ascendente dos primeiros meses do ano, registrou, de acordo com dados do MTE/Caged, a supressão de cerca de 2 mil postos de trabalho no Rio Grande do Sul, marcando uma relativa estabilidade em relação ao estoque do mês anterior. Ao final dos cinco primeiros meses do ano, houve crescimento de 2,93% no nível de emprego estadual, pelo acréscimo de, aproximadamente, 76 mil vagas, superando, em cerca de 42%, o avanço do mesmo período do ano anterior.

Quatro dos nove setores de atividade exibiram diminuição de contingente em maio. A agropecuária foi o que teve a maior retração, tanto em termos absolutos (-3 mil postos) como percentuais (-3,45%), seguida pelo comércio, com uma queda de 1,4 mil vagas (-0,24%). Na construção civil e na indústria de transformação, a perda foi bem menos significativa: 343 postos (-0,21%) no primeiro e 239 vagas (-0,03%) no outro.

A administração pública exibiu a maior taxa de crescimento (0,34%), ao passo que, em termos absolutos, destaca-se o setor serviços, com um incremento de 2,7 mil vagas (0,28%).

Ao se considerar o acumulado dos cinco primeiros meses do ano, apenas a agropecuária registrava diminuição de contingente (-0,84%). A indústria de transformação (38,4 mil) evidenciava o maior aumento de pessoal empregado, seguida, à distância, pelo setor serviços (26,6 mil), enquanto os demais setores registravam crescimentos bem menos expressivos (todos abaixo de 10 mil).

O resultado da indústria de transformação é especialmente alentador, sobretudo se o cotejarmos com os dados de produção industrial, que apontam, para o Rio Grande do Sul, crescimento de 0,2% em abril, em relação ao mês anterior, descontados os efeitos sazonais — o 7º maior aumento dentre as Unidades da Federação —, e de 3% no acumulado do primeiro quadrimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano anterior (Pesquisa Industrial Mensal – Regional do IBGE).

Emprego formal cresce 2,9% no RS, nos primeiros cinco meses do ano

Compartilhe