As internações por agressão no Rio Grande do Sul entre 1998 e 2012

Ao se considerarem as internações hospitalares no SUS, no Rio Grande do Sul, tendo como causas as agressões externas definidas de acordo com a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10) no período de 1998 a 2012, verifica-se que a média de internações é de 2.403 casos por ano, com um auge de 2.731 casos em 2004, e um mínimo de 1.978 casos em 2008. O aumento do número de casos após 2008 é bastante significativo, em um movimento de volta aos níveis anteriores. No entanto, parece haver uma mudança nessa tendência de aumento a partir de 2011, quando o número de casos de internações por agressão passa de 2.620 em 2010 para 2.354 em 2012.

Até 2010, a participação das mulheres nas internações por agressão não chegou a um quinto do total, representando, em média, 14,9% dos casos de internação. A partir de 2011, observa-se um importante aumento da frequência feminina nas internações por agressão: em 2011, 21,6% dessas internações são de mulheres, e, em 2012, 20,4%, o que pode estar indicando a configuração de uma tendência de aumento da participação feminina no total das internações.

Ao se considerar a distribuição dos casos de internação em uma linha de tempo, o movimento do total de internações é bastante similar às internações masculinas, devido a sua maior participação no total. As internações por agressões decorrentes de disparo de arma de fogo, principal causa de internação, são responsáveis por mais de um terço do total de internações por agressão no período, em média. Com efeito, a frequência de mulheres nesse tipo de internação situou-se, em média, em apenas 8,4% no período, o que contribui para explicar a baixa participação das internações femininas no total.

Esse conjunto de indicadores aponta a existência de “tipos” diferenciados de situações de violência conforme o sexo das vítimas, o que confirma a necessidade de políticas de combate à violência com enfoque de gênero.

As internações por agressão no Rio Grande do Sul entre 1998 e 2012

Compartilhe