Ano desfavorável no mercado de trabalho

Segundo informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre (PED-RMPA), disponíveis até novembro, o ano 2002 mostrou resultados negativos para o mercado de trabalho, como resultado do desaquecimento da economia estadual. O número médio de ocupados na Região experimentou retração após cinco anos ininterruptos de crescimento, sendo estimado em 1.466 mil pessoas, 15 mil a menos do que no ano anterior. O contingente de desempregados passou a 268 mil ante os 259 mil observados no ano anterior. O desemprego não aumentou mais em vista da saída de pessoas do mercado de trabalho para a inatividade. Assim, a taxa de participação, indicador que expressa a proporção da População em Idade Ativa que se encontra inserida no mercado de trabalho na condição de ocupada ou desempregada, caiu de 58,6% em 2001 para 57,5% em 2002.

Em vista dos movimentos citados, a taxa de desemprego total aumentou, alcançando a média de 15,5% da População Economicamente Ativa (PEA) de janeiro a novembro de 2002 frente aos 14,9% assinalados no ano anterior. Esse crescimento deveu-se, principalmente, ao desemprego aberto, cuja taxa se ampliou de 9,6% da PEA em 2001 para 10,1% em 2002, enquanto a taxa de desemprego oculto passou de 5,3% para 5,4%.

Também o rendimento real médio, informação disponível até outubro de 2002, mostrou redução. Para o total de ocupados, houve uma pequena variação negativa de 0,3%, enquanto, para os assalariados, ocorreu um decréscimo de 1,4%. Esses movimentos levaram ambos os rendimentos a um valor de R$ 784,00.

Ano desfavorável no mercado de trabalho

Compartilhe