A mudança no perfil etário da população gaúcha

No início do século XX, a população do RS era pouco mais de um milhão de pessoas, tendo alcançado a marca de 10 milhões no final do século. O crescimento populacional, ao longo desse período, foi acentuado até a década de 60, desacelerando-se posteriormente. Assim, por exemplo, entre 1940 e 1960, a população do Estado teve um acréscimo de 61,6% e, entre 1980 e 2000, de apenas 31,1%. Grande parte desse freio no crescimento populacional deve-se à acentuada diminuição da fecundidade nesse período. A fecundidade das mulheres gaúchas, que era de 4,9 filhos por mulher no início da década de 60, atualmente está no nível de reposição, ou seja, 2,1 filhos por mulher. Apesar disso, devido ao elevado contingente de pessoas em idade reprodutiva, a população do Estado continua crescendo.

Essa alteração tem proporcionado uma mudança significativa no perfil etário. Assim, até 1970, mais da metade da população do Rio Grande do Sul tinha menos de 20 anos, tendo essa participação se reduzido para 35,5% em 2000. A participação da população adulta, de 20 a 59 anos, manteve-se crescente no mesmo período, mas deverá começar a cair na próxima década. A população com 60 anos ou mais tem cada vez maior peso no contingente populacional: cresceu de 5,8% para 10,5% entre 1970 e 2000 e deverá representar 16,4% da população total do Estado em 2020. Em termos absolutos, em 2020, o Estado deverá ter aproximadamente dois milhões de gaúchos com 60 anos ou mais.

A mudança no perfil etário da população gaúcha

Compartilhe