Ano 25 nº 12 – 2016

O déficit comercial da saúde

A produção industrial de bens vinculados à saúde está quase toda inserida em quatro grupos da Classificação Nacional das Atividades Econômicas (CNAE 2.0), sendo eles os que tratam da fabricação de (a) produtos farmoquímicos; (b) produtos farmacêuticos; (c) aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de irradiação; e (d) instrumentos e materiais para uso médico e

Leia mais

Fatores associados a óbitos neonatais no Rio Grande do Sul em 2014

A taxa de mortalidade infantil (TMI) é um dos principais indicadores de saúde, especialmente por estar associada a condições socioeconômicas e sanitárias da população e por refletir as condições de saúde da parcela da população extremamente vulnerável: os menores de um ano. Para que seja possível reduzir essa taxa, são necessárias mudanças na atenção à

Leia mais

Por que vale a pena subsidiar o transporte público

Junho de 2013 ficou marcado pela insatisfação popular e pelas manifestações de rua contra o aumento das tarifas de transporte público. A tarifa zero universal despontava então como a principal bandeira do movimento, mas também estavam presentes as cobranças por um transporte coletivo rápido e eficiente. Já faz tempo que fortalecer o papel dos modais

Leia mais

Recrudescimento do protecionismo global: desafios para o Brasil e para o RS

A arena política global apresenta elementos que convergem para a construção de um cenário de retração das relações comerciais. Assim, além da saída do Reino Unido da União Europeia, a eleição do republicano Donald Trump para a Presidência dos Estados Unidos consolidou a emergência de forças políticas conservadoras dentro da própria União Europeia que comungam

Leia mais