Uma breve incursão no dimensionamento do mercado de biodiesel no Brasil

Os desafios ambientais gerados pelo uso intensivo de fontes de energia não renováveis e a escassez — forjada, ou não — de petróleo, que proporciona tendência crescente dos preços, fazem nascer alternativas irreversíveis e crescentes de outras fontes de energia não renováveis. No Brasil, a experiência do Pró-Álcool, seu clima, seu solo e sua tradição em pesquisa com oleaginosas, como a soja, poderão alavancar os biocombustíveis.

As estimativas da demanda do biodiesel aqui apresentadas restringem-se ao B5 (5% de biodiesel no total da mistura) para 2010-20, refletindo uma conjugação entre as taxas de crescimento cenarizadas da economia brasileira (3,0%, 4,0% e 5,0% ao ano) e seus rebatimentos na economia gaúcha. Ambas as estimativas estão ponderadas com as respectivas elasticidades- renda dos requerimentos de diesel de 1,4 para o RS e de 1,2 para o Brasil. Isso significa que, se o PIB crescer 3% ao ano, os requerimentos de diesel crescerão a 4,2% para o RS e a 3,6% para o Brasil, potencializando o mercado; ou, em caso de inércia, além do descaso ambiental, ocorrerá a aceleração do esgotamento das reservas brasileiras de petróleo, estimadas em 20 anos, a culminar no auge da crise do petróleo.

Se a demanda criar a sua própria oferta, sua organização será algo de grande complexidade, pois tratará com um grande número de espécies e variedades em diversas regiões do País, exigindo uma pesquisa de excelência, recursos generosos, manejo adequado e usinas de alta eficiência.

Além disso, existem a questão dos alimentos, que deverá demandar um incremento da produtividade em geral por hectare, a da inadiável inclusão social e o compromisso com a sustentabilidade.

Uma breve incursão no dimensionamento do mercado de biodiesel no Brasil

Compartilhe