Taxas de matrícula na pré-escola no Estado e nos Coredes

As recentes políticas voltadas à educação têm dado maior atenção à educação infantil. O foco nessa área tem como fundamento diversas pesquisas: o laureado pesquisador James Heckman tem trabalhos de referência na área, nos quais se enfatiza a importância do desenvolvimento de aspectos cognitivos e não cognitivos fundamentais para o futuro das crianças.

Ao contrário da educação básica ou superior, em que há testes qualitativos, como a Prova Brasil e o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), detectar a qualidade da educação infantil é tarefa difícil. Assim, ainda faz sentido observar o comportamento das taxas de matrícula na educação infantil, em particular na pré-escola.

A pré-escola, voltada para crianças entre quatro e cinco anos, é a etapa da educação infantil após a creche. Como vemos no gráfico, o RS tem uma taxa de matrícula de 60,5% na pré-escola, considerando a população em questão, de acordo com o Censo de 2010. A marca é ligeiramente inferior à nacional (61,2%) e próxima à da Croácia (61%) e de El Salvador (64%), de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) e o Banco Mundial.

Dentre os Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), o Vale do Taquari é o destaque, com taxa de matrícula de 86,9%. Noroeste Colonial, Norte e Vale do Caí também têm taxas superiores a 80%. Por outro lado, os Coredes Metropolitano Delta do Jacuí (onde se encontra Porto Alegre) e Centro-Sul apresentam taxas inferiores a 50%. A surpresa negativa é o Corede Serra, que sempre apresenta bons resultados em outros indicadores de desenvolvimento. Na matrícula pré-escolar, o Serra apresenta taxa de apenas 62,8%, próxima à média estadual.

Taxas de matrícula na pré-escola no Estado e nos Coredes

Compartilhe