RMPA: com menor desemprego da série, emprego formal fica estagnado em julho

Sinais de arrefecimento da geração de empregos formais vêm sendo assinalados, no País, ao longo de 2013, sem, contudo, configurar tendência clara. Evidências de desaceleração fazem-se sentir na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), que, em julho último, atingiu uma marca simbólica: a variação do número de ocupados com registro foi, precisamente, zero. Sempre na comparação com igual mês do ano anterior, esse resultado decorreu da perda de 12 mil postos de trabalho no setor público, a qual neutralizou a geração de idêntico número de vagas com carteira assinada no setor privado da Região. As demais posições na ocupação (empregados sem carteira, conta própria, etc.) tiveram pequena retração (também, coincidentemente, de 12 mil postos), o que fez com que o contingente ocupado total, no mercado metropolitano, decrescesse 0,7% — o primeiro resultado negativo, para um mês de julho, desde 2006. Ainda assim, a taxa de desemprego em julho último (6,7%) foi a mais baixa da série (iniciada em 1993) para o mês, uma vez que a população economicamente ativa (PEA) passou por um encolhimento, nos últimos 12 meses, de 18 mil trabalhadores. Retirou-se, assim, do mercado de trabalho um contingente 50% superior ao total de postos de trabalho eliminados no período, e essa diferença equivaleu a um “alívio” de 6 mil indivíduos no universo de desocupados.

Esses movimentos de curto prazo devem ser referidos às transformações de maior alcance temporal. No gráfico, constata-se que, nos últimos 10 anos, o contingente formalmente empregado na RMPA apresenta clara tendência de elevação, o inverso ocorrendo com o número de desempregados. A razão entre as duas variáveis tem um declínio acentuado e sistemático. A par de um crescimento de mais de 40% no número de postos com registro, é decisiva, para esse resultado, a perda de impulso nas taxas de crescimento da PEA. O desafio da geração de empregos, por certo, persiste, mas comporta um redimensionamento e o reforço de uma agenda de cunho qualitativo.

RMPA com menor desemprego da série, emprego formal fica estagnado em julho

Guilherme G. de F. Xavier Sobrinho
Sociólogo, Pesquisador da FEE

Compartilhe