Redução da mortalidade da população de 50 anos e mais ainda é insatisfatória

O indicador de expectativa de vida ao nascer, com base no aumento da longevidade da população, calculado no Censo Demográfico do IBGE, mostra uma melhoria nos padrões de saúde pública, nas últimas duas décadas, no País. A expectativa de vida no RS e no Brasil era, respectivamente, no ano 2000, de 72,1 anos e 68,6 anos, enquanto, em 1980, era de 65,6 anos e 61,7 anos.

No caso brasileiro, ocorreu uma leve diminuição no percentual de mortalidade da população na faixa etária de 50 anos e mais. Em 1980, esse volume representava 2,52% e baixou para 2,41% no ano 2000. No RS, esse percentual, que era de 2,94%, passou para 2,61%; isso indica que o decréscimo no RS foi de 11,22%, enquanto, no Brasil, foi de apenas 4,36%, mostrando que a queda foi mais significativa e acentuada no RS.

Os dados revelam que o RS apresenta uma mortalidade na faixa etária de 50 anos e mais superior à média brasileira, porém sua tendência à queda, ao longo dos 20 anos, foi maior do que a do Brasil. Por outro lado, observa-se que o crescimento da expectativa de vida, como era de se esperar, foi maior no Brasil (11,09%) do que no RS (9,94%), exatamente pelo fato de o seu patamar no Brasil ser significativamente inferior ao do RS. Apesar da queda do percentual de mortes aos 50 anos e mais, os percentuais ainda são muito elevados.

Redução da mortalidade da população de 50 anos e mais ainda é insatisfatória

Compartilhe