Potencial poluidor das atividades industriais no RS: o mapa do risco

Em estudo recém-concluído na FEE, foi realizada a atualização do Índice de Potencial Poluidor da Indústria (Inpp-I) para os anos de 2001 a 2004, abrangendo o Estado e algumas de suas regiões. Originalmente lançado pela FEE em maio de 2005, em conjunto com a FEPAM, com dados referentes a 2001, ele representa uma das primeiras experiências no Brasil de elaboração de indicadores econômico-ambientais abrangentes.

Para se chegar ao Inpp-I, que permite o ranqueamento dos municípios e dos Coredes do Rio Grande do Sul quanto ao seu potencial poluidor, levaram-se em conta o “tamanho”, medido pelo Valor Adicionado Bruto de cada atividade industrial, e o risco representado pelas mesmas.

Tomando-se a divisão por Coredes, verifica-se que, entre eles, os que apresentam o mais alto Inpp-I, correspondendo a maior risco e maior valor de produção, são, nessa ordem, o Metropolitano Delta do Jacuí (26,63), o Vale do Rio dos Sinos (20,66) e o Serra (15,77). Por sua vez, os três com mais baixo Inpp-I são o Alto da Serra do Botucaraí (0,15), o Litoral (0,16) e o Médio Alto Uruguai (0,23). Nesse sentido, observa-se a concentração geográfica do risco relativo ao potencial poluidor industrial no nordeste do Estado, que é, ao mesmo tempo, a área mais densamente povoada do RS.

Potencial poluidor das atividades industriais no RS o mapa do risco

Compartilhe