População em pobreza extrema: foco na Região Metropolitana de Porto Alegre e na Região Norte do Estado

Dados recentemente divulgados pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) evidenciam o segmento da população brasileira em pobreza extrema, referente às pessoas ou famílias cujos rendimentos não atingem o mínimo necessário para satisfazer adequadamente suas necessidades nutricionais, levando em conta hábitos de consumo, disponibilidade efetiva de alimentos em cada região e seus preços relativos. Como critério para definir a linha nacional de pobreza extrema, considera-se, nessa faixa, a população com rendimento mensal domiciliar per capita de até R$ 70,00. No Brasil, o número de pessoas nessa situação é de 16.267.197, ou 8,53% do total, enquanto, no RS, chega a 306.651 pessoas, representando 2,87% da população gaúcha.

No caso do RS, quase dois terços (65,2%) dos extremamente pobres localizam-se em domicílios urbanos, enquanto os restantes (34,8%) estão no meio rural. No total, há uma predominância feminina, sendo 51,7% mulheres e 48,3% homens. Nota-se também um alto percentual de crianças e jovens de até 17 anos, que representam 45,2% da população em pobreza extrema no Estado. Outro dado significativo refere-se à proporção de 13,7% de analfabetos nesse segmento, sendo que, entre a população gaúcha como um todo, esse percentual é de 4,5%.

Em termos da localização da extrema pobreza no RS, podem-se considerar tanto o ranking dos municípios gaúchos com maior quantidade absoluta de domicílios com renda de até R$ 70,00 como o ranking daqueles com maior proporção de domicílios nessa situação.

No primeiro ranking, sobressaem-se os municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre. Entre os 10 municípios com maior número de domicílios em extrema pobreza, encontram-se Porto Alegre (1º), Canoas (3º), Viamão (4º), Gravataí (5º), Alvorada (6º) e Novo Hamburgo (9º). Também fazem parte dessa lista os Municípios de Pelotas (2º), Rio Grande (7º), Santa Maria (8º) e Caxias do Sul (10º).

Já na classificação de acordo com maior proporção de domicílios com renda de até R$ 70,00, estão os Municípios de Redentora (1º), Lajeado do Bugre (2º), Benjamim Constant do Sul (3º), São Valério do Sul (4º), Jacuizinho (5º), Vicente Dutra (6º), Engenho Velho (7º), Derrubadas (8º), Santana da Boa Vista (9º) e Jaboticaba (10º), com percentuais entre 29,7% (Redentora) e 15,9% (Jaboticaba). Chama atenção o fato de que oito desses 10 municípios se localizam na Região Norte do Estado, sendo exceção os Municípios de Jacuizinho e Santana da Boa Vista. Além disso, considerando-se a questão étnica relacionada à pobreza, ressalta-se que, em quatro desses municípios, há uma forte presença de população indígena, sendo esses, respectivamente, Benjamin Constant do Sul, com 43,5%, Redentora, com 39,5%, São Valério do Sul, com 39,4%, e Engenho Velho, com 34,1%.

Compartilhe