Perspectivas da indústria moveleira gaúcha

A indústria gaúcha de móveis, responsável por mais de 30.000 empregos diretos, vem buscando melhorar suas condições de competitividade. Dentre os avanços obtidos, cabe ressaltar a implantação de uma fábrica de MDF no Estado, um dos principais insumos da indústria moveleira. Também existem várias iniciativas para promover a pesquisa em design e novos materiais, para a aquisição de novos equipamentos e para a qualificação dos trabalhadores e dos empresários. Um gargalo não resolvido persiste na crescente escassez da oferta gaúcha de madeiras.

Recentemente, o reduzido nível da atividade no País, agravado pela deterioração da conjuntura em alguns dos principais mercados de exportação, tem atuado negativamente sobre o desempenho do setor moveleiro. A produção de móveis reduziu-se a partir de meados de 2002, situação que ainda não foi revertida em 2003. O elevado nível das taxas de juros atuando sobre os investimentos e sobre as compras a crédito e a desvalorização do real, a qual teve efeitos sobre o custo dos insumos importados, foram fatores que contribuíram para esses resultados desfavoráveis. Soma-se a esses fatores a queda nas exportações verificada no ano 2002, em particular devido à crise argentina. Já no primeiro semestre de 2003, as exportações de móveis voltaram a aumentar face à ampliação da participação de outros países, principalmente dos EUA. Resta aguardar se serão implementadas ações no sentido de auxiliar a superação dos gargalos existentes de forma a minimizar as adversidades e, assim, preservar as recentes conquistas do setor.

Perspectivas da indústria moveleira gaúcha

Compartilhe