Perfil dos migrantes da Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre — 2005-10

O conhecimento do perfil do migrante de acordo com a estrutura por sexo e idade ajuda a se compreenderem os mecanismos que envolvem a mobilidade populacional. A análise dos migrantes das mesorregiões do Estado, em relação a todas as demais mesorregiões do Brasil e do próprio RS, é baseada no local de residência cinco anos antes do Censo Demográfico 2010. No período 2005-10, a Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre, formada pela Capital, seu entorno e o Litoral Norte, apresentou um saldo migratório de -2,6 mil pessoas. Para a população feminina, a quantidade de emigrantes foi menor do que a de imigrantes (98 para cada 100), ao passo que a população masculina apresentou sentido inverso, havia 107 emigrantes para cada 100 imigrantes.

A migração está concentrada nas idades mais jovens, observando-se um importante saldo migratório positivo entre a população de 10 a 24 anos. Na estrutura etária, pode-se observar também a diferença nas idades ao imigrar e emigrar para essa mesorregião, mostrando que as pessoas entram um pouco mais jovens (imigrantes) e saem um pouco mais velhas (emigrantes). Esse dado, além de indicar o acompanhamento dos pais, também revela a possível entrada de jovens em busca de formação educacional, assim como a saída pode indicar tanto o retorno de estudantes quanto a migração para trabalho. É interessante ressaltar-se que, na estrutura de emigração, há um pequeno diferencial entre mulheres e homens, indicando que as primeiras emigram um pouco mais jovens.

Essas informações confirmam os resultados de outras pesquisas de perfil de migrantes, revelando o desempenho da migração de jovens. Isso corrobora a hipótese que coloca o foco da migração no trabalho e, como já ressaltado, no estudo. Contudo observa-se que a diferença entre os sexos não é marcante, o que pode apontar uma tendência, já observada nas migrações internacionais, da participação das mulheres em nível de igualdade com os homens no processo migratório.

Perfil dos migrantes

Compartilhe