Participação do RS nos principais destinos das exportações brasileiras

O Brasil exportou, entre 2008 e 2012, uma média anual de US$ 210,3 bilhões. Desse total, US$ 17,2 bilhões, ou 8,2%, foram provenientes do Estado. Nesse período, o RS foi o quarto maior estado exportador. Entretanto, ao se analisar os principais destinos das exportações gaúchas e brasileiras, nota-se que alguns países são mais importantes para o Estado do que para a média nacional.

Dentre os 20 principais destinos das exportações brasileiras, observa-se que os países nos quais o RS alcançou uma participação relativamente mais elevada foram Paraguai, Bélgica, Rússia, Argentina e Arábia Saudita. Os principais produtos que esses países demandaram do Estado foram carnes, tabaco e químicos, produtos tradicionais da estrutura produtiva gaúcha, o que facilitou a boa inserção nesses mercados. Nesse sentido, possíveis oscilações na demanda desses países por produtos brasileiros — seja por uma eventual diminuição do poder de compra, seja pela imposição de barreiras comerciais —, tendem a ter um impacto relativamente maior nas exportações estaduais do que no restante do Brasil.

Por outro lado, alguns países de destino importantes na pauta brasileira tiveram uma participação relativamente menor nas vendas externas do RS. Esses foram os casos de, por exemplo, Índia, Canadá, Japão, Países Baixos, Itália, Coreia do Sul e Estados Unidos. Isso não significa, porém, que esses países tenham pouca importância para as exportações estaduais. Na verdade, apesar de importantes, essas nações demandaram proporcionalmente menos produtos do RS na comparação com os demais estados. Por exemplo, apenas 2,7% das exportações brasileiras para a Índia no período foram provenientes do RS. Isso indica que, ressalvadas as especificidades da estrutura produtiva estadual, há espaço para o RS aumentar as suas exportações para esse destino. Uma preocupação que tem surgido nos últimos anos diz respeito à perda de participação do RS nas exportações brasileiras. Devido ao crescimento das exportações gaúchas abaixo da média nacional, a participação do Estado caiu de 9,3% em 2008 para 7,2% em 2012. Nesse sentido, a análise da inserção do Estado entre os principais compradores de produtos brasileiros pode ajudar a encontrar um caminho para explicar esse fenômeno e, eventualmente, instrumentar políticas públicas para revertê-lo. É claro que há uma limitação na oferta de produtos que dependem de riquezas naturais ou condições climáticas que não ocorram no Estado — como, por exemplo, minério de ferro e petróleo. Porém, nos mercados em que há condições de competição, também pode haver espaço para o RS buscar aumentar a sua participação.

Participação do RS nos principais destinos das exportações brasileiras

Compartilhe