Os resultados positivos do mercado de trabalho da RMPA

A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) é realizada em cinco regiões metropolitanas e no Distrito Federal, permitindo, dessa forma, realizar comparações entre os mercados de trabalho das diversas regiões. Um primeiro aspecto que chama atenção são as diferenças observadas nas taxas de participação — indicador que expressa a proporção da População em Idade Ativa (PIA) que se encontra inserida no mercado de trabalho, na condição de ocupada ou de desempregada. Esse indicador apresenta diferenças marcantes, indo de 53,8% em Recife a 63,5% em São Paulo, em junho de 2002. Porto Alegre tem 57,7% da PIA participando do mercado de trabalho, sendo a mais baixa participação depois de Recife.

Com referência à participação dos diversos setores de atividade econômica na ocupação das diversas regiões, destaca-se que as regiões aparecem como centros de serviços, uma vez que esse setor responde por mais de 50% do contingente de ocupados em todas. O que chama atenção são as diferenças da participação da indústria no emprego das diversas regiões metropolitanas pesquisadas. Nesse aspecto, cumpre destacar que a RMPA aparece com uma proporção de 19,5% dos ocupados na indústria de transformação, praticamente a mesma participação observada em São Paulo (20,1%), que é a maior entre as regiões analisadas.

O exame das formas de inserção dos ocupados no mercado de trabalho mostra diferenças no grau de formalização das relações de trabalho entre as diversas regiões. Nesse aspecto, também a RMPA aparece com destaque. O maior nível de assalariamento observado é o do Distrito Federal, onde 69,4% dos ocupados são assalariados. Observe-se que esse resultado decorre, fundamentalmente, da forte presença do emprego público em Brasília. Porto Alegre aparece como a segunda região de maior nível de assalariamento, estando nessa condição 64,2% dos ocupados.

Ainda considerando o grau de formalização das relações de trabalho, cabe examinar como essas relações se estabelecem no mercado assalariado, no setor privado. Assim, cotejando a proporção de assalariados no setor privado com registro em carteira de trabalho entre as diferentes regiões, percebe-se que, em Porto Alegre, que aparece com o maior percentual, essa participação assume o valor de 83,2%, sensivelmente maior do que o do Distrito Federal, que aparece em segundo lugar, com 77,5%.

Além das informações citadas acima, que mostram a qualidade destacada do mercado de trabalho da RMPA, cabe referência ao comportamento da taxa de desemprego — percentual de desempregados em relação à População Economicamente Ativa (PEA) — nas diversas regiões consideradas. A taxa de desemprego total na RMPA vem se mantendo como a mais baixa de todas as regiões consideradas desde novembro de 2000, situando-se em 15,9% da PEA em junho, substancialmente abaixo da das demais regiões. Assim, além da qualidade relativamente mais favorável do emprego, a RMPA vem mostrando taxas de desemprego menos elevadas que as demais regiões do País.

Os resultados positivos do mercado de trabalho da RMPA

Compartilhe