Os gastos em Ciência e Tecnologia nos estados mais industrializados do Brasil

Nas últimas décadas, o mundo assistiu a uma transformação radical dos conhecimentos científico e tecnológico, com o desenvolvimento e a difusão da microeletrônica, da automação e das tecnologias de informação e comunicação (TIC). Essas novas tecnologias provocaram uma verdadeira revolução em como, quando, onde e para quem produzir e distribuir produtos e serviços. Por isso a importância de políticas públicas para difundir as capacidades tecnológicas de criação e assimilação de novos conhecimentos, visando aumentar as oportunidades de trabalho e o desenvolvimento econômico e social sustentável. Os dispêndios em Ciência e Tecnologia (C&T) constituem um importante instrumento de política pública.

As informações disponíveis sobre os dispêndios em C&T nos Estados mais industrializados do País sugerem que, nos anos 2000, esses gastos no Estado do Rio Grande do Sul foram menores em termos absolutos e relativos em comparação, por exemplo, com Estados como Paraná, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Mesmo levando em conta o crescimento dos gastos em C&T no ano de 2010, o orçamento executado somou 254,2 milhões de reais, correspondendo a 0,73% da receita total do Estado. Uma explicação para esse fato é o incipiente orçamento executado do RS no ensino universitário estadual, já que esse orçamento integra seu gasto em C&T, como de igual forma nos outros Estados.

Os gastos em Ciência e Tecnologia nos estados mais industrializados do Brasil

Compartilhe