Mercado imobiliário e déficit habitacional: uma questão controversa

Examinar o perfil dos investimentos imobiliários e do déficit habitacional na Cidade de Porto Alegre constitui exercício fundamental para se ampliar a compreensão das diferencia ções sociais existentes entre os espaços urbanos. O Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-RS) publica informa ções sobre o mercado imobiliário, permitindo considera ções sobre sua dinâmica, do ponto de vista da oferta de novas unidades. O Observatório de Políticas Urbanas e Gestão Municipal (www.ippur.ufrj.br/observatorio) disponibiliza dados sobre o déficit habitacional.

A análise conjunta dessas informações mostra uma realidade bastante complexa.

Observam-se, na tabela, os agrupamentos (por quartis) de bairros que mais se destacaram em cada modalidade examinada. O conjunto de bairros mais elitizados, incluídos no primeiro quartil, reúne a maior oferta de unidades habitacionais (69%). Esse conjunto não coincide com a localização dos bairros que compõem o primeiro quartil do déficit, onde está reunida boa parcela das áreas mais pobres da Cidade, que são responsáveis por quase 55% do déficit. Chama atenção que os imóveis ofertados se concentram em faixas de preço superiores a R$ 180 mil (mais de 50%). Já as carências habitacionais aglutinam-se predominantemente na faixa de renda familiar de até dois salários mínimos (quase 50%).

Assim, a tarefa de solucionar o problema da moradia é difícil, tornando urgente a definição de políticas que se proponham a estabelecer um equilíbrio maior entre o perfil do mercado e o conteúdo das carências.

Mercado imobiliário e déficit habitacional uma questão controversa

Compartilhe