Melhora na distribuição de renda do trabalho na RMPA

Observando-se a distribuição dos rendimentos dos ocupados, nos últimos anos, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), é possível verificar, pela Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), uma tendência de desconcentração da renda do trabalho, evidenciada no aumento significativo da parcela da renda apropriada pelos trabalhadores que pertencem ao grupo dos 25% que auferem os menores rendimentos (Grupo 1). Esse movimento ganhou impulso expressivo no ano de 2006, tendo o percentual da renda do trabalho apropriada pelo grupo subido de 7,77% para 8,29%. O mesmo movimento de crescimento foi observado para os trabalhadores do Grupo 2 (25% dos trabalhadores com rendimentos inferiores à mediana), que passaram de 13,38% em 2005 para 13,77% em 2006.

O movimento inverso, por conseqüência, ocorreu no Grupo 4, correspondente aos ocupados de maior renda. Esses trabalhadores, em 2006, auferiram 56,88% do total de rendimentos do trabalho na RMPA. Esse percentual, nos anos de 1994 e 2000, era maior que 60%.

Os dados da PED sinalizam uma melhora na distribuição da renda do trabalho, na RMPA, no último período, resultado de um ganho real de renda dos ocupados de menores rendimentos, destacando-se os empregados nos serviços domésticos. Porém a distribuição atual ainda está muito longe de padrões de países avançados. Segundo a ONU, que utiliza um conceito mais geral de renda e não só a oriunda do trabalho, o Brasil ocupa a incômoda 117a posição entre 124 países analisados.

Melhora na distribuição de renda do trabalho na RMPA

Compartilhe