Máquinas e equipamentos agrícolas do RS: reversão do quadro positivo

Em 2007, a indústria de máquinas e equipamentos do RS apresentou uma performance altamente positiva, registrando um crescimento de 33,3% em relação ao ano de 2006. Entretanto, em 2008, comparando com o ano anterior, essa taxa foi de 22,1%, o que significa uma perda de 11,2 pontos percentuais (PIM-IBGE).

Os resultados desse setor refletem o comportamento do segmento de máquinas e equipamentos agrícolas, que representa mais de 30% de sua produção no Estado. Em 2007, esse segmento experimentou uma forte recuperação, assentada principalmente nas boas safras de grãos, que ensejaram, por sua vez, a capitalização dos produtores. Esse fato, aliado à relativa abundância de crédito, contribuiu para a ampliação da demanda doméstica. Além disso, as grandes empresas do setor, motivadas pelas expectativas, nacionais e internacionais, de ampliação da cultura de cana-de-açúcar, da silvicultura, da área plantada de grãos e da introdução de tecnologias de ponta, empreenderam o lançamento de novos produtos.

Esse cenário favorável sustentou-se até janeiro de 2008. Porém a queda no preço das commodities, com reflexos sobre a produção de grãos, bem como as adversidades climáticas, com destaque para a seca da Argentina, e a crise financeira mundial, que limitou drasticamente a oferta de crédito, provocaram uma reversão desse quadro. Assim, os dois últimos meses de 2008 apresentaram forte desaceleração da produção, em decorrência da queda das encomendas e do crescimento da inadimplência dos produtores rurais. A demissão de trabalhadores registrada no final de janeiro de 2009 aponta um aprofundamento da crise no segmento de máquinas agrícolas do Estado.

Máquinas e equipamentos agrícolas do RS reversão do quadro positivo

Compartilhe