Indústria gaúcha em queda no primeiro quadrimestre

No primeiro quadrimestre de 2014, a produção física da indústria gaúcha de transformação apresentou uma taxa negativa de 0,6% contra um crescimento de 5,3% em igual período do ano anterior. Esse resultado foi semelhante ao registrado pela indústria brasileira, que obteve taxas respectivas de -1,8% e 4,2%. No caso do RS, tal performance foi comum a quase todas as atividades industriais, exceto em produtos alimentícios e celulose. Com resultados positivos, porém inferiores aos alcançados em 2013, destacam-se as indústrias produtoras de derivados do petróleo e biocombustíveis; de veículos automotores; e de móveis. Cabe considerar que, no quadrimestre em questão, o desempenho exportador do RS apresentou o pior resultado entre os estados brasileiros. Justifica-se, dessa forma, que as maiores quedas estejam localizadas nas atividades em que as vendas externas têm uma participação importante. É o caso de indústria de fumo (-14,2%), produtos químicos (-12,3%) e calçados (-5,8%). Esta última, apesar de todos os esforços de reestruturação, vem acumulando perdas nas últimas décadas, reduzindo continuadamente a produção e o emprego. A indústria metalúrgica, importante fornecedora de insumos internos, teve sua queda determinada pelo fraco desempenho das indústrias brasileira e estadual.

Esses números confirmam que o mercado interno ainda se constitui em um dos pilares para a sustentação das vendas de produtos finais, como é o caso de alimentos, veículos automotores e móveis, cujas previsões por parte dos empresários são de recuperação até o final do ano.

A indústria estadual de máquinas e equipamentos, representada principalmente pela produção de tratores e máquinas e implementos agropecuários, foi diretamente atingida pelas restrições impostas pela Argentina. Essa atividade também apresenta perspectivas de melhores resultados, tendo em vista a expansão do agronegócio brasileiro. Além disso, contará com um aporte de R$ 30 bilhões do BNDES para ampliação do crédito, o que deverá contribuir para o lançamento de novos produtos já anunciados por algumas grandes empresas do setor. No curto prazo, a recuperação da indústria gaúcha dependerá da retomada das exportações estaduais e nacionais, do desempenho da agricultura e da continuidade das vendas internas.

Indústria gaúcha em queda no primeiro quadrimestre

Variação da participação da economia do RS na do Brasil e regiões e estados com maior e menor variação da participação, por atividade, na economia do Brasil — 2002-11

Compartilhe