Diferenças entre sexos no desempenho do emprego formal em 2004

Os dados do Caged mostram que, em 2004, foram acrescidos cerca de 117 mil postos de trabalho no mercado formal (diferença entre admitidos e desligados), no RS. Desse total, 57,4% foram vagas geradas para homens e 42,6% para mulheres. Assim, tomando-se como referência o estoque de emprego formal informado pela RAIS 2003, tem-se, ao final de 2004, uma variação da ordem de 5,6% tanto para o total do emprego como para homens e mulheres tratados separadamente.

Considerando-se, agora, os grandes setores de atividade econômica, pode-se observar que há significativas diferenças entre eles. A indústria foi o setor líder, com cerca de 53 mil postos gerados, atingindo um aumento de 8,9% no ano, em relação ao estoque de 2003. No mesmo período, a segunda maior variação foi registrada na construção civil (8,0%); a terceira, no comércio (7,8%); a quarta, na agropecuária (3,5%); e a última, nos serviços (2,8%). Quanto aos diferenciais por gênero, pode se observar que, para os homens, as maiores taxas foram registradas na construção civil (8,2%), na indústria (7,8%) e no comércio (7,0%). Já entre as mulheres, a geração de postos de trabalho foi mais pronunciada na indústria (11,0%) e no comércio (8,9%).

Na indústria, setor onde o maior número de vagas foi criado, a maior parte dos homens foi absorvida nos subsetores metalúrgico, de material de transportes e calçados, enquanto as mulheres se concentraram nas indústrias de calçados e na de alimentos e bebidas.

Diferenças entre sexos no desempenho do emprego formal em 2004

Compartilhe