Desemprego juvenil na Região Metropolitana de Porto Alegre

Ao longo dos anos 90, o desemprego fez-se mais presente no mercado de trabalho brasileiro, com uma clara elevação de seu patamar. Deve-se destacar, não obstante, que o desemprego não atinge com a mesma intensidade os diferentes grupos populacionais. Nesse sentido, um grupo populacional que evidencia elevada incidência do desemprego é o dos jovens de 16 a 24 anos.

Na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a taxa de desemprego dos jovens elevou-se de 21,4% em 1993 para 29,8% em 2003, período em que o contingente de desempregados desse grupo populacional se ampliou de 73 mil para 128 mil indivíduos. A par desses aspectos, elevou-se o tempo médio de duração do desemprego juvenil, pois a proporção de jovens com procura por trabalho igual ou superior a um ano passou de 17,8% em 1993 para 31,3% em 2003. Muito provavelmente, existe uma associação entre a duração do período de permanência no desemprego dos jovens e o aumento da proporção daqueles que não possuíam experiência anterior de trabalho, a qual se elevou de 24,7% em 1993 para 32,8%
em 2003.

Uma outra mudança relevante na composição do desemprego juvenil, na RMPA, diz respeito à escolaridade, destacando-se a grande redução da proporção de jovens desempregados com escolaridade fundamental incompleta, que passou de 50,7% para 25,0%. Tal resultado encontra-se associado ao aumento da escolaridade da população em geral e à maior seletividade das empresas frente à oferta de mão-de-obra no período.

Desemprego juvenil na Região Metropolitana de Porto Alegre

Compartilhe