Desempenho do mercado de trabalho na RMPA, em 2008

O período jan.-nov./08 foi bastante favorável para o mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), quando comparado com o mesmo período dos dois anos anteriores, segundo os dados levantados pela Pesquisa de Emprego e Desemprego na RMPA (PED-RMPA). A expansão da atividade econômica contribuiu para a melhora dos seus principais indicadores: o nível ocupacional apresentou importante elevação, a taxa de desemprego total reduziu-se, atingindo o seu menor nível desde o ano de 1995, e o rendimento médio real dos ocupados registrou comportamento positivo.

O desemprego só não se reduziu mais em virtude de uma forte entrada de pessoas no mercado de trabalho. Assim, a taxa de participação, indicador que expressa a proporção da População em Idade Ativa que se encontra inserida no mercado de trabalho, na condição de ocupada ou desempregada, aumentou de 56,8% em 2007 para 58,8% em 2008, atingindo o maior patamar desde 2002.

A taxa de desemprego total média alcançou 11,3% da População Economicamente Ativa nesse período de 2008, apresentando queda em relação aos 13,0% registrados no mesmo período de 2007 e aos 14,5% de 2006. O número médio de desempregados reduziu-se em 21 mil indivíduos, comparando-se os 11 meses de 2008 com os de 2007. Destaque-se que a taxa de desemprego atingiu o seu menor patamar nos meses de agosto, outubro e novembro deste ano, se comparada com a de idênticos meses dos anos anteriores da Pesquisa.

O estoque de ocupados na Região Metropolitana de Porto Alegre, em 2008, apresentou crescimento pelo sexto ano consecutivo. Houve significativo aumento de 7,5% no total de ocupados, tendo sido geradas 123 mil novas ocupações, número bastante superior ao registrado no ano de 2007 (59 mil indivíduos) e o mais expressivo desde o início da Pesquisa.

Em todos os setores de atividade econômica, houve aumento do número de ocupados. Em termos relativos, os incrementos registrados foram os seguintes: serviços, 10,2%; comércio, 6,1%; indústria de transformação, 4,1%; e o grupo outros – que inclui construção civil, serviços domésticos, etc. -, 2,0%. Em números absolutos, o destaque coube ao setor de serviços, no qual foram gerados 88 mil novos postos de trabalho.

Considerando a forma de inserção no mercado de trabalho, observa-se que o aumento do nível de ocupação ocorreu em função do crescimento do número de trabalhadores assalariados (81 mil), principalmente no setor privado (66 mil). Neste último grupo, o incremento mais expressivo foi verificado entre os empregados com carteira de trabalho assinada (57 mil).

Os rendimentos médios reais do trabalho, no período jan.- -out./08, elevaram-se em 2,2% para os ocupados e em 1,0% para os assalariados, na comparação com o mesmo período de 2007.

Apesar da crise financeira internacional, o mercado de trabalho da RMPA ainda não sentiu seus efeitos ao ponto de ocorrer redução no número de ocupados e aumento da taxa de desemprego nos últimos meses do ano. Mesmo que os resultados da Pesquisa do mês de dezembro sejam negativos, dificilmente irão alterar o bom desempenho do mercado de trabalho em 2008. Contudo este deverá sentir os efeitos da crise financeira a partir do primeiro trimestre de 2009. A diminuição do ritmo de criação de vagas deve ser um dos primeiros reflexos, especialmente nos segmentos exportadores e no comércio.

Desempenho do mercado de trabalho na RMPA, em 2008

Compartilhe