Cooperação para a inovação no RS: fornecedores e universidades em destaque

De acordo com os dados da última Pesquisa de Inovação Tecnológica (Pintec-IBGE, com apoio do Finep e do MCT), ano 2008, que trata das inovações de produto ou processos tecnologicamente novos ou substancialmente aperfeiçoados, as empresas inovadoras das indústrias extrativas e de transformação no Brasil mostraram aspectos auspiciosos com respeito às relações de cooperação para inovação, principalmente no RS. Entre as empresas que inovaram no Brasil, um pouco mais de 10,0% delas estabeleceram projetos conjuntos de P&D e outros projetos de inovação com outra organização (empresa ou instituição). No RS, esse percentual alcança 12,5%, sendo, portanto, superior à taxa nacional.

Nesses arranjos cooperativos com outras organizações, as firmas gaúchas apontaram como principais parceiros os fornecedores (para 78,2% das firmas) e as universidades e os institutos de pesquisa (35,5%), com percentuais acima dos nacionais, de 65,3% e 29,5% respectivamente. Enquanto isso, as outras categorias de parceiros (centros de capacitação profissional e assistência técnica, consultorias, clientes, etc.) possuem percentuais menores do que os nacionais, o que representa uma menor valorização dessas categorias no Estado.

Merece destaque o dado relativo às instituições de ensino superior e de pesquisa no RS, pois, nas edições anteriores da Pintec, o seu percentual de valorização foi de somente 8,0% no ano de 2000, de 26,6% em 2003 e de 33,8% em 2005, havendo, consequentemente, um aumento gradual e expressivo da relevância dessas organizações nas atividades cooperativas de inovação. Esse tipo de colaboração (empresas e universidades) é um importante indicador da capacidade de inovar do sistema nacional de inovação.

Cooperação para a inovação no RS fornecedores e universidades em destaque

Compartilhe