Aumento dos rendimentos do trabalho em um ano de crise

O exame do comportamento dos principais indicadores do mercado de trabalho em 2009, conforme dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre (PED-RMPA), indica que o nível ocupacional se elevou em menos do que em 2008 e que a taxa de desemprego total se situou praticamente no mesmo patamar daquele ano. O destaque ficou por conta dos rendimentos do trabalhador, que apresentaram elevação expressiva, apesar do contexto macroeconômico adverso, de crise econômica.

De fato, os rendimentos médios reais do trabalho na RMPA evidenciaram crescimento de 4,0% para o total de ocupados e de 2,7% para os assalariados, comparando-se o período jan.-nov./09 com o mesmo período de 2008.

Esse expressivo aumento dos rendimentos pode ser creditado a fatores como: um menor patamar inflacionário; a convenção coletiva de trabalho, na qual as negociações tomaram como referência o ano de 2008, de bons resultados econômicos, configurando um ótimo parâmetro de negociação; e a política de valorização do salário mínimo real e do piso salarial regional.

O gráfico expressa as variações dos rendimentos reais, permitindo destacar, ainda, que a elevação foi mais expressiva para os trabalhadores com menores rendimentos — Grupos 1 (que corresponde a 25% dos trabalhadores com rendimentos mais baixos) e 2 (que abrange 25% dos trabalhadores com rendimentos imediatamente inferiores ao mediano) —, cujos aumentos foram de 9,2% e 4,4% entre os ocupados e de 7,2% e 3,8% para os assalariados.

Pode-se inferir, portanto, que os maiores beneficiários do aumento de renda na RMPA, em 2009, foram os trabalhadores com menores rendimentos, ou seja, as ocupações com valores médios ao redor do salário mínimo (R$ 465,00), ou do piso salarial regional, que oscila entre R$ 511,29 e R$ 556,06.

Aumento dos rendimentos do trabalho em um ano de crise

Compartilhe