Aumenta o tempo de permanência no emprego, na RMPA

O tempo que os trabalhadores permanecem na mesma empresa é um dos indicadores de rotatividade mais utilizados nas análises sobre o mercado de trabalho. A esse respeito, o tempo de permanência dos assalariados do setor privado na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) apresentou
elevação no período 2000-10, de acordo com os dados captados pela Pesquisa de Emprego e Desemprego na RMPA. Para essa categoria, o movimento de aumento da permanência na mesma empresa foi de 10,5%, evoluindo de 44,4 meses para 49,1 meses a partir de 2000. Por setor de atividade, a expansão no tempo de permanência, no período considerado, ocorreu mais fortemente na construção civil (24,9%), seguida pela indústria (16,6%), pelo comércio (12,1%) e pelos serviços (7,2%). Não obstante esse comportamento, a construção civil apresenta o menor tempo de permanência entre os setores, situando-se em 36,2 meses em 2010, ao passo que a indústria é o setor onde se encontra o maior nível, 54,1 meses em 2010, e, consequentemente, a menor rotatividade. Ressalta-se que o indicador sofreu deterioração no ano de 2010, frente à tendência positiva dos anos anteriores. Se o tempo de permanência em 2010 tivesse se mantido no mesmo nível de 2009, seu crescimento teria sido de 14,9% para os assalariados, variação superior aos 10,5% verificados.

Aumenta o tempo de permanência no emprego, na RMPA

Compartilhe