As principais causas de morte entre os homens jovens

As causas externas de mortalidade — acidentes de trânsito, homicídios, suicídios, quedas, acidentais, afogamentos, dentre outras — representaram 9,2% dos óbitos do Rio Grande do Sul em 2010. Destaque-se que mais da metade dos óbitos nesse grupo de causas se refere aos acidentes de transporte (30,7%) e às agressões (28,8%). O segmento populacional mais vulnerável à mortalidade por causas externas é constituído por homens jovens, de 15 a 29 anos, sendo esse o grupo que está mais exposto à violência cotidiana, especialmente nos grandes centros urbanos. As mortes de homens nessa faixa etária representavam, em 2010, 3,4% de todos os óbitos (ambos os sexos). Contudo, dessas, 74,3% decorrem de causas externas, sendo, portanto, passíveis de serem reduzidas a níveis bem inferiores. As agressões representaram 33,2% dos óbitos, e os acidentes de transporte, 22,6% entre os homens jovens.

A situação é ainda mais preocupante quando se verifica a sua evolução mais recente. Considerando o período 2006-10, constata-se que, enquanto os homicídios foram reduzidos, passando de 911 para 873, os acidentes de transporte vitimaram 534 em 2006 e 595 em 2010. Essa variação representou um acréscimo de 11,4% no espaço de apenas cinco anos. Esse perfil de alta mortalidade entre os homens jovens contribui decisivamente para uma expectativa de vida inferior à das mulheres.

As principais causas de morte entre os homens jovens

Compartilhe