As exportações de soja para a China

Com 1,2 bilhão de habitantes (um quinto do total mundial) e um nível de renda em ascensão, a China é um mercado com grande potencial de expansão para as exportações gaúchas, especialmente de soja em grão.

Assim como vários outros países, a China impõe restrições à entrada de soja transgênica, e, tanto nos Estados Unidos quanto na Argentina, principais concorrentes do Brasil no mercado exportador desse produto, mais de 80% das lavouras de soja são transgênicas, na busca de alternativas para diminuir custos e aumentar a produtividade. Já o Brasil oferece um produto não transgênico, o que lhe confere vantagem sobre seus concorrentes no mercado chinês.

Outra vantagem, no momento, é a desvalorização do real, que permite a prática de preços mais competitivos no mercado internacional.

A Lei Kandir, que, a partir de 1996, zerou as alíquotas de ICMS sobre as exportações do complexo soja, também estimulou as vendas de soja em grão.

Por tudo isso, as vendas de soja em grão do RS para a China têm se elevado e representam, aproximadamente, 75% do valor total das exportações do Rio Grande do Sul para esse país. Caso as condições atuais de competitividade da soja do RS se mantenham, espera-se que as vendas para o mercado chinês se intensifiquem na próxima safra, embora já representem 55% das exportações gaúchas de soja em grão.

As exportações de soja para a China

Compartilhe