A retomada da importância dos EUA para as exportações do RS

Os Estados Unidos foram, nos últimos 10 anos, o principal país consumidor das exportações gaúchas. Entre 2003 e junho de 2012, o Rio Grande do Sul exportou, a preços correntes, US$ 16,2 bilhões para os EUA, seguido por China, com US$ 15,6 bilhões, e Argentina, com US$ 13,3 bilhões. Em 2003, os Estados Unidos representavam 22,25% das exportações do RS. Desde então, entre 2003 e 2011, os EUA perderam relevância de forma persistente, devido a alguns fatores que serão explorados no que segue. A retomada do crescimento argentino, pós-crise de 2001, aumentou a participação das exportações para esse país, de 7,57% em 2003 para 13,96% em 2009. A competição chinesa reduziu as exportações gaúchas de calçados para os EUA, então principal destino das exportações da indústria calçadista. Além disso, a China surgiu como um importante destino das exportações de soja gaúcha a partir de 2001, quando a sua participação nasexportações do Estado era de apenas 3,2%. A partir de então, a elevação do volume produzido de soja aumentou a participação chinesa, tornando-se, a partir de 2009, o principal destino das exportações do RS. Por fim, a crise financeira afetou o desempenho econômico dos EUA, reduzindo, a partir de 2009, as exportações gaúchas para esse país. Assim, em 2011, os Estados Unidos representaram somente 7,1% do valor exportado gaúcho, atrás de
China e Argentina.

Já em 2012, as exportações totais do RS caíram, em valor, 8,1%, mas, para os EUA, cresceram 10,8% e alcançaram US$ 712,7 milhões. Com isso, a participação dos EUA, após nove anos em queda, voltou a subir e alcançou 8,37% entre janeiro e junho de 2012, ante 6,95% o mesmo período de 2011. Esse desempenho decorre da leve melhora econômica nos EUA, que aumentou as importações de fumo, armas e químicos produzidos no RS. Com as barreiras protecionistas argentinas e com a quebra desafra da soja prejudicando as exportações para a China, os EUA devem recuperar, pelo menos, neste ano, parte daimportância perdida na última década. Em suma, apesar da recuperação lenta dos Estados Unidos, o crescimento das exportações para esse país deve compensar, ainda que parcialmente, a queda das exportações para a China e para a Argentina.

A retomada da importância dos EUA para as exportações do RS

Compartilhe