A redução na cobertura cambial

O pacote cambial que flexibilizou a obrigatoriedade de conversão para o real das receitas de exportação deve ser abordado levando-se em conta não apenas os interesses da classe exportadora, mas também a questão da vulnerabilidade externa do País. Assim, é preciso destacar que a entrada de recursos das exportações de bens e serviços para o País é a única forma de se obterem divisas, sem a implicação de compromissos posteriores, como pagamento de amortizações, remessa de juros, de lucros, de dividendos, etc. E, caso haja algum revés no câmbio, a permissão para os exportadores manterem parte de seus dólares no exterior agravará ainda mais a situação.

Se houver escassez de moeda estrangeira devido a uma crise no balanço de pagamentos, o Banco Central perderá seu mais importante aliado, seu maior fornecedor de divisas, nos últimos anos, para enfrentar ataques ou corridas contra o real, como pode ser visto na tabela. Os exportadores, em uma situação dessas, estando protegidos, enquanto o resto do País estará em default, não irão querer correr riscos, colocando seus dólares à disposição, para a nação contrapor-se à fuga de capitais, a não ser que sejam obrigados.

Atualmente, esse risco parece não existir, devido à grande liquidez internacional e aos altos juros aqui praticados, e a flexibilização na cobertura cambial até agora não afetou a cotação da moeda norte-americana no Brasil. Mas, até quando vai perdurar essa fase? Mesmo com a possibilidade de, em caso de crise, o Conselho Monetário Nacional poder alterar a medida, a qualquer momento reduzindo ou até mesmo eliminado a permissão de manter os dólares no exterior, isso poderá criar dificuldades futuras, principalmente na forma de pressão, exercida pelos exportadores, contra a anulação da medida.

Movimento de câmbio no Brasil — 2000-1º sem./06

FONTE: Banco Central do Brasil.
(1) Exclui operações interbancárias e operações externas do Banco Central. (2) Movimentações relacionadas com transferências internacionais em reais, no País, de domiciliados no exterior.

Compartilhe