A migração pendular na Região Metropolitana de Porto Alegre

Os dados levantados pelo Censo Demográfico de 2000 sobre o deslocamento da população do município de residência para trabalhar ou estudar em outro município, ou seja, a migração pendular, mostram que, no Brasil, 7,4 milhões de pessoas trabalham ou estudam fora do município de residência, o que representa 6,66% das pessoas que trabalham ou estudam. No Rio Grande do Sul, esse percentual é de 7,96%. Entre os 542.756 gaúchos que declararam fazer migração pendular, 66% residem na RMPA. Como mostra o Mapa, na Região Metropolitana de Porto Alegre, os municípios com mais de 30% de pessoas que trabalham ou estudam fora do município de residência formam uma área contígua, excetuando-se o Município de Eldorado do Sul.

Embora pela primeira vez, em um censo nacional, tenha sido investigado o deslocamento da população para trabalhar ou estudar, desde 1992 a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), realizada na RMPA pela FEE através de convênio com FGTAS, SEADE- -SP e DIEESE, pergunta o município onde as pessoas ocupadas trabalham. Assim, é possível conhecer, além da proporção de pessoas que se deslocam do seu município de residência para trabalhar, o destino dessa parcela da população. Mais da metade da população que se desloca do município de residência para trabalhar tem como destino Porto Alegre, sendo que 75% desse contingente são originários de Viamão, Alvorada, Canoas e Gravataí.

A migração pendular na Região Metropolitana de Porto Alegre

Compartilhe