A economia gaúcha em 2001

As estimativas preliminares para a economia gaúcha em 2001 indicam um crescimento de 3,5% do PIB e de 2,4% no PIB per capita. Com esse resultado, o PIB gaúcho atinge o valor de R$ 92,9 bilhões, e o PIB per capita, R$ 9.025,00. Ainda que não se tenha o resultado para o Brasil, as estimativas do IBGE, até o terceiro trimestre, apontavam um crescimento de 2,3%, taxa esta que, segundo a maioria dos analistas, deve sofrer alguma redução quando forem computadas as informações do último trimestre de 2001. O desempenho alcançado pela economia gaúcha em 2001 é bastante significativo, completando três anos sucessivos de expansão, fazendo com que o PIB crescesse 10,9%, enquanto, na economia nacional, a expansão foi de 7,5% no período 1999-01.

A economia gaúcha em 2001

O bom resultado da economia sulina em 2001 deveu-se, principalmente, ao setor da Agropecuária, que apresentou um crescimento de 12,0%, acumulando, nos últimos três anos, uma expansão de 23,9%, a maior entre os setores da economia. O resultado do ano de 2001 é reflexo do crescimento observado na produção da Lavoura, que obteve um incremento de 16,3%, tendo como destaque a grande expansão na produção de grãos. A performance da atividade da Agropecuária só não foi maior em razão do pífio resultado alcançado pela produção da Pecuária, que encerra o ano com um incremento de 0,6%.

O setor industrial apresentou um crescimento de 2,3%, refletindo a expansão de 2,7% verificada na Indústria de Transformação. Nesse segmento, foi significativa a expansão da produção da Indústria Mecânica (17,5%), que contribuiu com 1,49% para a taxa global do PIB. Deve ser salientado que segmentos importantes como Vestuário, calçados e artefatos de tecido, Química, Produtos alimentares, Bebidas e Fumo tiveram desempenhos negativos. A retração das economias americana e européia e o aprofundamento da crise argentina influenciaram os desempenhos das Indústrias Química, Produtos alimentares e Vestuário, calçados e artefatos de tecido; enquanto o lento crescimento do mercado interno afetou a performance de Bebidas.

A atividade Serviços apresentou um crescimento de 2,4%, tendo desempenhos positivos em todos os seus segmentos, com destaque para as atividades Transportes e armazenagem (5,2%) e Comunicações (15,0%).

As perspectivas de crescimento da economia gaúcha em 2002 encontram-se na dependência do equacionamento da política econômica nacional. Como se sabe, há diversos constrangimentos para sustentar taxas de crescimento mais elevadas, e, além disso, ainda continuaremos a sofrer as conseqüências da crise energética. Pelo lado externo, todas as projeções indicam taxas de expansão muito baixas, tanto do PIB quanto do comércio internacional. A economia americana não mostra ainda sinais de reativação, o que poderá manter o grau de dificuldade na colocação de nossos produtos nesse mercado. Por sua vez, a crise argentina e a anunciada desvalorização cambial deverão restringir nossas exportações e aumentar a competitividade de alguns produtos argentinos em nosso mercado interno.

Compartilhe