Textos com assunto: dívida externa

Sobre a queda da dívida externa brasileira

Por:

Edição: Ano 16 nº 08 - 2007

Área temática:

Assunto(s): ,

Nos anos 90, no Brasil, a abertura comercial e a política cambial do Plano Real causaram a deterioração dos saldos da balança comercial, ampliando exageradamente os déficit das transações correntes, por conseqüência, passou a ocorrer rápida expansão da dívida externa. Outros graves problemas tomaram vulto a partir dos fatos referidos. Para atrair os financiamentos necessários para fechar o balanço de pagamentos, o Banco Central mantinha elevadas as taxas básicas de juros, medida que fez crescer rapidamente a dívida púbica. O quadro descrito elegeu o Brasil como participante de todas as crises financeiras internacionais; qualquer aceleração do crescimento da economia ampliava as importações e esbarrava em dificuldades externas de financiamento. Em suma, o desequilíbrio externo impôs à economia uma baixa taxa média de crescimento. Em 1998 e 1999, o Governo realizou mudanças, para atacar os problemas existentes. Dentre essas, adotou o regime de câmbio flutuante, que propiciou imediata desvalorização cambial. O déficit em transações correntes caiu, contudo insuficientemente; entre 1999 e 2001, esse déficit oscilou no intervalo elevado entre 4,7% e 4,0% do PIB.

Em 2001, a balança comercial alcançou o primeiro modesto superávit desde 1995, com cifra de US$ 2,7 bilhões. Entre 2002 e 2006, o superávit cresceu, em geral, rapidamente, impulsionado pela expansão das exportações; em 2006, atingiu US$ 46,1 bilhões, a despeito da tendência de valorização cambial iniciada em 2004. Na conta de transações correntes, a grandeza do ajuste, se comparado o ano de 2001 com os anos posteriores a 2004, quase sempre esteve acima de 6,0% do PIB.

A dívida total líquida (dívida total subtraídas as reservas internacionais, os haveres comerciais e os créditos brasileiros no exterior) caiu de US$ 165,0 bilhões em dezembro de 2002 para US$ 35,8 bilhões em junho de 2007 — uma queda de 78,0%. Na comparação entre as mesmas datas, a dívida total diminuiu 6,8%. Simultaneamente, as reservas internacionais cresceram de US$ 37,8 bilhões para US$ 147,0 bilhões. O quadro descrito indica que os detentores de dívidas externas adiam a amortização daqueles passivos, para aproveitar a remuneração das elevadas taxas internas de juros; a mesma razão e a melhora das condições da economia têm atraído capitais estrangeiros, dos mais especulativos aos investimentos diretos. A abundante entrada de divisas tem mantido a trajetória de valorização cambial, constituindo nova “âncora cambial” dos preços e dando impulso ao crescimento das importações. Importações estas pagas com divisas, mas também com menor crescimento do produto nacional e com prejuízo permanente de parte das cadeias de produção. Neste momento, cabe lembrar que as taxas de inflação estão abaixo da meta estabelecida. Em benefício de uma aceleração do crescimento da produção e do emprego e também em vista dos fatos expostos, o Governo deveria redobrar esforços para dar maior velocidade à diminuição das taxas de juros.

Indicadores de endividamento externo no Brasil — dez./02-jun./07
FONTE: Bacen.
NOTA: Do endividamento externo, estão excluídos o estoque do principal, amortizações e juros relativos a intercompanhias.
(1) Dados estimados. (2) Conceito de liquidez internacional.

Compartilhe

A melhora dos indicadores de endividamento externo

Por:

Edição: Ano 15 nº 09 - 2006

Área temática:

Assunto(s):

Entre 1995 e 2000, o Brasil registrou déficits na balança comercial e grandes déficits na conta de transações correntes. Esse desequilíbrio foi agravado pelo acúmulo de uma dívida externa de dimensões preocupantes. Tais circunstâncias contribuíram para elevar o Risco-Brasil e para expor o País a fortes reduções dos financiamentos externos durante as crises financeiras internacionais. Nessas ocasiões, o Banco Central viu-se forçado a elevar drasticamente as taxas básicas de juros, para atrair os capitais externos. O grave inconveniente dessa medida resulta da diminuição do crescimento da produção e do emprego. Contudo, em 2001, registrou-se o primeiro — e ainda modesto — superávit comercial desde 1994. Esse fato prenunciava o processo de reversão, a partir de 2002, do desequilíbrio externo, inicialmente, pela queda do crescimento das importações e, entre 2003 e 2005, pelo veloz crescimento das exportações. Assim, os superávits comerciais seguiram rapidíssima trajetória de aumento. Desde 2003, verificam-se crescentes superávits anuais na conta de transações correntes. Esses fatos contribuem para uma expressiva melhora dos indicadores de endividamento externo — a maioria dos quais relacionada com o risco de inadimplência dos compromissos externos. Essa melhora está registrada na tabela, onde, por exemplo, se constata uma redução de 53,4% da dívida externa líquida entre 2001 e julho de 2006; verifica-se, também, a queda da parcela das exportações comprometida com o pagamento dos compromissos externos. Essas circunstâncias evidenciam a redução da vulnerabilidade externa da economia e condições propícias à elevação de suas taxas de crescimento.

Indicadores de endividamento externo do Brasil — 2001/06

FONTE: Bacen.
(1) Serviço da dívida é igual a amortizações mais juros brutos.

Compartilhe