Ano 19 nº 02 - 2010

O saldo cambial brasileiro em 2009

Diferentemente dos anos anteriores, quando o superávit comercial garantiu o saldo cambial total, em 2009 os principais responsáveis pela entrada de recursos no País foram as operações financeiras, as quais abrangem as operações com capitais (investimento direto, em Bolsa, renda fixa e empréstimos em moeda) e serviços (turismo, pagamento de juros e remessa de lucros).

Leia mais

O crédito no Brasil: pós-crise

A crise financeira global de 2008 afetou significativamente o mercado de crédito no Brasil. As condições de oferta foram rapidamente comprometidas, a partir da restrição de acesso a linhas de financiamento externas, da redução da liquidez no mercado interbancário doméstico e do acirramento da aversão ao risco na concessão de novos recursos pelas instituições financeiras.

Leia mais

A polêmica do reajuste dos aposentados

Tramitam no Congresso Nacional dois importantes projetos, que abrangem os aposentados do INSS. Um deles se refere ao reajuste dos que percebem acima do piso previdenciário, que é de um salário mínimo, enquanto o outro trata do pagamento das diferenças de reajuste entre aqueles que ganham o piso previdenciário e os que ganham acima do

Leia mais

Queda nas exportações gaúchas em 2009

O valor das exportações gaúchas em 2009 somou R$ 15,2 bilhões, representando um decréscimo de 17% em relação a 2008. Essa queda se deu tanto pela redução do volume quanto dos preços. O volume, em 2009, foi 10,2% inferior ao de 2008, e os preços apresentaram uma redução de 7,6%. Se para o RS o

Leia mais

Reduzido esforço inovativo na indústria gaúcha

O esforço inovativo empreendido pelo setor empresarial é medido pela intensidade tecnológica que expressa a participação dos dispêndios em P&D efetuados pelas empresas na receita líquida. Uma parte desses recursos, os dispêndios externos, é orientada para a aquisição de equipamentos ou de tecnologia gerada fora da empresa. Os dispêndios internos, por sua vez, refletem a

Leia mais

A economia gaúcha nos anos 2000

Entre 2000 e 2009, a economia do Rio Grande do Sul cresceu a uma taxa média anual de 2,4%. Os primeiros cinco anos expandiram-se a 2,6%. Em 2005, uma das piores estiagens da história do Estado afetou negativamente a agropecuária e, indiretamente, também a indústria de transformação, determinando uma queda de 2,8% no PIB. Nos

Leia mais